Conhecida popularmente como Gripe felina, a Rinotraqueíte é uma doença muito comum em gatos, têm contágio rápido e possui diversos sintomas. A contaminação desse vírus pode ser evitada a partir de algumas mudanças de hábitos dos donos de gato, principalmente àqueles que adotam gatinhos vindo direto da rua, um ato muito nobre, porém que demanda de muitos cuidados que muitas pessoas ignoram! Quem vai nos ajudar a desvendar essa doença é a Dra. Alexandra Mattiazzo, Especialista em clínica médica e cirúrgica de felinos, Veterinária da Comissão técnica de defesa dos animais da OAB de São Paulo e conveniada na Nofaro. Confira:

O que é a Rinotraqueíte?

A rinotraqueíte é uma doença altamente contagiosa que ataca o aparelho respiratório dos felinos, caracterizada pelo sintoma de descarga nasal abundante, pode ser muito grave em animais debilitados. O agente causador dela é o herpes vírus felino 1 (HVF-1), muitas vezes os gatos que estão com sua imunidade baixa são os mais acometidos.

Quais são os sintomas?

Os principais sintomas são:

  • Descarga nasal abundante

  • Espirros

  • Lacrimação

  • Secreções purulentas nos olhos, como a conjuntivite, que pode até evoluir para uma úlcera de córnea

  • Enfraquecimento (letárgicos)

  • Depressão

  • Febre alta, olhos brilhantes

  • Perda de apetite

  • Dificuldade de respiração (alguns até respiram com a boca aberta)

Como é a transmissão?

A maneira mais fácil dos gatos se contaminarem é pelo contato direto de gatos doentes, principalmente filhotes, ou através das secreções eliminadas pelos espirros e lacrimejamentos.

Porém o vírus é sensível ao ambiente, ele consegue sobreviver até 18 horas no ambiente que tenha umidade, porque ele necessita de meio úmido para viver.

Rinotraqueíte pode ser passada em humanos?

Não precisa se preocupar, porque ela não é uma zoonose (doença que passa do humano para o animal e vice versa), só é transmitida entre os felinos, inclusive os selvagens.

Como é o tratamento?

O tratamento é feito através de antibióticos, inalação e outros procedimentos para cuidar dos sintomas variáveis. Mas atenção! O tratamento varia de acordo com o estado do gato, por isso a importância de um médico veterinário analisar o caso dele e encaminhar o tratamento certo é muito grande! Além disso, é comum que seu gato tenha outra doença juntamente com a rinotraqueíte (Gatos muito fracos podem apresentar a calicivirose junto, é comum em gatos com imunodeficiência felina (FIV) a tal AIDS felina). Nunca automedique seu animal! Isso pode causar uma série de problemas de saúde.

Como prevenir a Rinotraqueíte?

A melhor maneira de se evitar esta doença é com a vacinação, basta levar seu gatinho ao veterinário e ele fará a vacina. A vacina que previne essa doença é a quádrupla felina, disponível nos planos da Nofaro!

Porém além disso, deve-se tomar um grande cuidado ao adotar um novo gatinho na sua família. A grande maioria das pessoas acabam encontrando um gato na rua e imediatamente colocam juntos com os seus, se ele for portador da rinotraqueíte incubada ainda, pode transmitir facilmente. Por isso é importante fazer a quarentena deste animal antes de apresentar ele aos novos amigos, e se for possível, levar ele ao veterinário para fazer um check up antes.  Faça um plano de saúde da Nofaro para seu amiguinho e aproveite todos os benefícios sem colocar a mão no bolso, seu gatinho merece! Eu estarei lá para te dar o suporte diretamente em sua residência (Em São Paulo).

Então é isso pessoal! Se vocês tiverem qualquer outra dúvida, a Dra. Alexandra está super disposta a responder! É só mandar para a gente.