A cinomose é uma infecção viral que atinge os cães, principalmente no primeiro ano de vida. Todos os cachorros podem pegá-la, mas alguns têm mais chances de desenvolver a doença, que são os filhotes que ainda não terminaram o protocolo de vacinação ou que não costumam receber o reforço anual da vacina múltipla (V6, V8 e V10). Baixe o calendário de vacinação que seu pet deve fazer aqui.

A cinomose é uma doença canina viral altamente contagiosa, podendo levar à morte ou deixar sérias sequelas nos cachorros que se curam dela. O vírus é bastante resistente e pode atingir vários órgãos, afetando todo o organismo do animal.

Como a cinomose é transmitida?

O cachorro pode pegar cinomose de forma direta ou indireta. Veja a seguir. 

Forma direta: 

  • Através do contato com secreções, urina e fezes infectadas pelos animais doentes;

Forma indireta:

  • Através das vias respiratórias pelo ar contaminado ou pelo contato com algum objeto que possui o vírus alojado, como casinhas e alimentos dos animais infectados;

  • A infecção pode acontecer também no passeio com o pet em locais pelos quais passaram cachorros doentes que eliminaram o vírus em locais públicos.

O maior índice de transmissão da cinomose é em filhotes de 3 a 6 meses de idade, que é quando ele sofre a perda dos anticorpos maternos até então presentes no seu organismo.

Quais são os principais sintomas da cinomose? 

  • Falta de apetite;

  • Diarreia;

  • Vômito;

  • Febre (pode atingir 41º);

  • Secreção no nariz (pus) e nos olhos (remela em grande quantidade);

  • Tosse;

  • Espasmos musculares;

  • Convulsões;

  • Problemas nervosos como tiques e paralisias.

A forma como cada cachorro será atingido pelos sintomas da cinomose depende da imunidade do animal. Mas a contaminação não regride após o vírus ter se instalado.

Qual o tratamento da cinomose?

O tratamento da doença nada mais é que o tratamento dos sintomas dela - o animal tomará um remédio para combater o vômito, outro para combater a febre, outro para as convulsões e assim por diante. 

Como dito acima, não há medicamentos antivirais específicos para tratar a cinomose, mas é possível curar com o tratamento adequado (indicado por um médico veterinário de confiança), embora o nível de dificuldade seja grande. 

A eficácia do tratamento vai depender do histórico de saúde dele: alimentação de qualidade e rotina de exercícios influenciam muito em ele estar mais forte no combate ao vírus. O objetivo é apenas um: fazer o possível para que o organismo do cachorro elimine o vírus. 

É por isso que o índice de mortalidade de filhotes é enorme, com poucos meses de vida o organismo deles não é capaz de combater o vírus. Os animais que sobrevivem, em sua maioria, ficam com sequelas como: espasmos musculares, andar desordenado e/ou crises convulsivas, mesmo não tendo mais o vírus.

Como prevenir a cinomose? 

A única forma de prevenção é a vacinação. Ela é feita através da aplicação das vacinas V6, V8 e V10. 

No caso de filhotes, devem receber três a quatro doses da vacina a partir de 45 dias de vida, com intervalo de 21 a 30 dias entre as aplicações. Apenas depois da última dose seu sistema imunológico será capaz de combater o vírus caso haja contato com ele. Feito isso, os passeios na rua estão liberados. 

Se o cão já for adulto, não esqueça das vacinas anuais e proteja seu melhor amigo contra doenças. 

E é claro, evite o contato com animais doentes e objetos contaminados, como falamos no início da matéria. 

Importante: além da cinomose as vacinas são essenciais para evitar outras doenças como hepatite infecciosa, parainfluenza, adenovirose, coronavirose, parvovirose e leptospirose.

Para ler mais sobre o assunto visite nossa matéria - Você realmente sabe como é o calendário de vacinação do seu pet?

Para finalizar... 

A cinomose como podemos ver, é uma doença muito séria e seu tratamento é um processo delicado, que exige dedicação e acompanhamento da família do pet e do veterinário responsável. 

Mas é importante ressaltar que ela tem cura, só que quanto mais ela encontrar espaço para se desenvolver no organismo do cão mais difícil será tratar e o sofrimento do animal será maior. Então fique atento aos sinais e busque suporte de um veterinário de confiança o quanto antes. Quando essa doença evolui e atinge a fase nervosa (que é a mais séria), o quadro muitas vezes não tem solução.

Com cuidado, amor e carinho o cachorro encontra motivações para melhorar a cada dia, e no fim, não haverá nada mais recompensador que saber que tudo foi feito para vencer a luta contra a cinomose.  

Obrigada e até a próxima!