Com tanto afeto pelos bichinhos, é natural que o gasto com eles esteja crescendo. Donos de cães gastam em média R$ 294 por mês, sendo R$ 121 em ração. Os donos de gatos gastam em média R$ 200, sendo R$ 90 em ração. Cerca de 8,7% das pessoas também gastam com plano de saúde para seus pets, de acordo com uma nova pesquisa da CVA Solutions.  

Fonte: Exame.com

  • Gasto médio X Gasto real 

Para quem já tem um bicho de estimação, os gastos médios apresentados pelo levantamento podem parecer acima da realidade. Isso acontece, porque as famílias fazem adaptações para ter menos custos, como substituir a ração premium por ração básica ou até mesmo oferecer comida. E também porque o valor do instituto considera as condições ideias para o bem-estar do animal, o que inclui, por exemplo, consultas regulares a veterinários, algo que muitos tutores de pet não estão acostumados a fazer. 

Fonte: G1

A quantidade de pets também pode diminuir os custos mensais por animal.

Por esses motivos é tão importante avaliar antes de tomar a decisão de ter ou não um amiguinho. É preciso entender a sua rotina e ter consciência de que a saúde dele é sua responsabilidade.  

  • Projeções 2019 

O mercado brasileiro de produtos para animais de estimação cresce a cada ano, mesmo frente à crise financeira que o país enfrentou nos últimos tempos. Em 2018, o setor movimentou mais de R$ 20 bilhões, 9,8% a mais que em 2017. Com os resultados mais recentes, o Brasil também passa a figurar como segundo principal mercado pet do planeta, com participação de 5,2%, enquanto Reino Unido e a Alemanha o acompanham de perto, com participação de 4,9% cada. Em primeiro lugar estão os Estados Unidos, com 40% do faturamento de varejo do setor, em escala global.

Desde 2013, ano de início da tabulação feita pelo IPB, o faturamento tem registrado crescimento. Se a expectativa deste ano se consolidar, o mercado pet terá alcançado um crescimento de 49% em sete anos.

O mercado pet nacional deverá fechar este ano com um faturamento de R$ 36,2 bilhões, segundo as projeções do IPB. A estimativa representa crescimento de 5,4% sobre o faturamento consolidado de 2018, de R$ 34,4 bilhões. 

Esse desenvolvimento de mercado tão positivo, provoca um boom de investimentos em clínicas e hospitais veterinários, já que cães e gatos são considerados membros da família. Agora é a vez dos planos de saúde médicos para os animais, que surgem como uma alternativa de economia e segurança na vida dos tutores. 

Estudos revelam que as pessoas que já possuem planos de saúde para seus animais, frequentam mais as clínicas - os tutores de cães levam seu animal, em média, 3,5 vezes ao ano ao veterinário, sendo que em 2016 a média era de 2,5 vezes. Já os gatos fazem essa visita em média 2,7 vezes ao ano, sendo que em 2016 a média era de 1,9 vezes.

Várias clínicas já possuem parcerias com planos de saúde, devido ao aumento da frequência de ida ao veterinário que os planos propiciam. Conheça a nossa Rede Credenciada e entenda melhor a abrangência. 

  • Salvar seu animal de estimação pode custar caro

Manter um amigo de 4 patas exige, além de tempo para compartilhar momentos, dinheiro para garantir a saúde e o bem-estar do bichinho. 

Quem tem pet sabe que cada vez que ele perde o apetite ou deixa de abanar o rabinho quando você chega, a primeira preocupação é com uma possível doença. A segunda é com os gastos no veterinário – consultas, remédios, exames. Uma internação pode custar de R$ 2 a 5 mil reais. Para quem o animal já faz parte da família, não há alternativas se não arcar com os gastos e aceitar o tratamento para salvá-lo.  

  • Planos de saúde animal entram cada vez mais como alternativas para minimizar custos 

E para evitar gastos tão altos, cada vez mais tutores de animais estão procurando planos de saúde para pets, uma modalidade bastante semelhante a dos convênios médicos oferecidos para humanos. 

O mercado tem um muitas oportunidades a explorar. Segundo dados do IBGE de 2014, existem 72 milhões de cães e gatos no país. 

E se eles são a nossa família nada mais justo que oferecer uma medicina preventiva de primeira, aumentando a expectativa de longevidade do seu melhor amigo e é claro, proporcionando uma melhora significativa na qualidade de vida do bichinho. 

Ficou com alguma dúvida? Escreve para gente nos comentários!