Você acha que um animal pode se tornar um Santo?

Esta ideia pode parecer estranha hoje em dia, no século XIII, não era. Naquela época, centenas de franceses começaram a rezar e implorar milagres a um valente cãozinho. Se você ainda não conhece essa história verídica, você não pode perder os cinco fatos sobre a vida de Guinefort, o cão que quase virou santo!

  1. Quem foi Guinefort?

Guinefort foi um cachorro da raça Galgo que nasceu na França em um pequeno castelo na cidade de Lyon, que fica a 400km de Paris. Apesar de nascer em um castelo, Guinefort vivia em uma propriedade mais simples, que não tinha guardas nem vigias. 

Na verdade, quem era responsável pela proteção do castelo era o próprio Guinefort e seus irmãos de quatro patas. Os cães viviam com o senhor e a senhora moradores do castelo, e seu filho, que era um bebê

  1. O acontecimento inesperado 

Um dia, os donos do castelo precisaram fazer uma breve viagem até uma cidade vizinha. Como a viagem não era longa e eles logo voltariam para a casa, eles resolveram deixar o filho sozinho no berço por algumas horas.

E bem nesse momento de ausência dos pais, uma serpente entrou no quarto em que o bebê estava. Guinefort notou a presença do animal e acabou matando a serpente em uma briga violenta. O quarto, a criança e o próprio cachorro acabaram banhados de sangue.

  1. O destino trágico 

Quando a mãe voltou de viagem e encontrou o berço, o bebê e Guinefort ensanguentados, entrou em pânico. Ela achou que o cão tinha atacado o seu filho e começou a chorar desesperadamente. O pai do bebê não pensou duas vezes: pegou sua espada e matou Guinefort, para que ele nunca mais fizesse mal a ninguém.

Momentos depois, os pais perceberam que a criança não estava machucada e nem morta, estava apenas dormindo. Fazendo uma busca pelo quarto, acabaram encontrando a cabeça da cobra jogada em um canto. Eles tinham feito uma enorme injustiça quando mataram o cachorro que salvou seu filho.

 

  1. O funeral

Com vergonha do que tinha feito, o senhor do castelo providenciou um enterro para Guinefort como se ele fosse um ser humano, com direito a lápide, flores e orações. 

Poucos semanas depois, o casal se mudou do castelo e foi para outra propriedade.

Contudo, a história de Guinefort já tinha se espalhado pelos camponeses da cidade. E foi assim que mulheres de diversas regiões da frança começaram a visitar o túmulo de Guinefort para pedir bênçãos para curarem seus filhos doentes, acreditando que o cachorrinho faria milagres.

  1. Milagres não reconhecidos

Após centenas de mães irem até Guinefort pedirem por milagres, a Igreja teve que se pronunciar sobre o boato que estava circulando nas cidades da França.

Na época, o  Frei o Estevão de Bourbon, que trabalhava para a Inquisição medieval, escreveu um relato do caso. Para ele, aquilo era um absurdo, e as adoradoras de Guinefort estavam negligenciando a saúde dos filhos, já que o animal não era milagroso de verdade.

Mesmo tendo os poderes da Inquisição ao seu dispor, o Frei preferiu não processar as mulheres por heresia. Provavelmente ele percebeu que não existia maldade nas ações dessas mães, que só queriam ver seus filhos curados.

Que história inusitada, não é mesmo? Se você quer saber mais e ainda ver ilustrações de como era Guinefort, clique no botão abaixo e não perca o nosso vídeo!

 

ver o vídeo agora!